Siga a Catraia

Notícias

Economia criativa: um negócio inovador e sustentável

Publicado há

em

A potência de iniciativas que unem a pluralidade de artistas empreendedores com a necessidade de acrescentar algo novo ao mercado

Por Gabrielly Martins

Seja em âmbito local, nacional ou internacional, a economia criativa busca desenvolver um conjunto de ações e ideais que estimulem o mercado frente ao avanço das novas tecnologias, da cultura e da criatividade. Esse setor é constituído também pela remodelagem de ideias tradicionais de negócio, trazendo pautas importantes para o foco do debate, como a sustentabilidade.

De acordo com levantamentos feitos pela Federação das Indústrias do Estado do Acre (FIEAC) no ano de 2020, o Acre possui “rotas de desenvolvimento” emergentes e os anos de quarentena, decorrentes da pandemia de Covid 19, maximizaram esses caminhos. Impedidos de trabalhar presencialmente, inúmeros trabalhadores recorreram a uma fonte de renda informal e dinâmica, usando a criatividade e os recursos on-line, se beneficiando das tendências ditadas pelos influenciadores digitais e pelo crescimento das redes sociais.

Imagem: Reprodução/Internet

O mapeamento publicado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), em junho de 2022, mostra que no total do PIB brasileiro o PIB criativo  ficou em 2,91% em 2020, rentabilizando R$217,4 milhões de reais. Os dados não incluem somente a potência que os produtos originais e inovadores significam no mercado, mas ensina o porquê das novas tecnologias serem um pilar importante para a economia.

Em diversos setores de venda, para além de produtos que atendem a uma parcela de gostos alternativos, existe também a criação de canais de venda, por onde esses produtos são postos no mercado, como é o caso de roupas, acessórios e calçados. As vitrines virtuais permitem que o empreendedor contemple temáticas e tendências com mais eficiência,  como é o caso do setor fashion.

Estilo e engajamento social

A moda, em ascensão por conta das tendências vintage e retrô, se reinventa através da reutilização e sustentabilidade, sendo disseminada através dos brechós, um meio de economia circular. Trabalham com a curadoria de peças de roupas, calçados ou acessórios, atribuindo valor a peças que, apesar do tempo de uso, ainda estão em bom estado e corroboram com a estética seguida em 2023 por uma parcela da sociedade.

Para Andressa Lima Oliveira, proprietária do brechó Abelha Bee, que começou no ramo por uma questão financeira, esta é uma forma de alcançar os próprios sonhos. “Fazer parte da indústria da moda circular é incrível, porque garimpar peças únicas e raras supre a minha carência de estudar moda, que é uma faculdade que não posso fazer”, comenta Andressa Lima, que mora em uma cidade sem cursos presenciais na área.

Apesar das demandas e do espaço conquistado, a brecholeira não se imagina como parte do comércio, nem se vê como uma empresária. Para ela, ainda são poucas as medidas que dão segurança aos empreendedores do setor criativo. “O brechó vem ganhando espaço no mercado, sim, mas deveria ser mais valorizado pela contribuição que ele tem para a sustentabilidade. Cada vez mais nós temos feiras, aparecemos em jornais, construímos espaços físicos. O brechó não é só a luta para que se recicle peças, é também a luta contra o trabalho escravo das grandes empresas”, reiterou.

Para Rebeca Martins, estudante e consumidora de itens de brechó, o acesso a roupas em bom estado e com um ótimo custo-benefício é um atrativo para esse comércio. “O alto custo que a gente vê nas roupas hoje em dia torna o brechó mais atrativo, porque além dele ter essa característica mais vintage e ajudar a compor estilos, ele traz muita acessibilidade econômica a quem quer se vestir bem, gastando um preço justo.”

Imagem: Reprodução/Internet

Segundo o levantamento feito pela Boston Consulting Group (BCG), é possível que o setor de brechós obtenha grandes faturamentos, com crescimento de 15% a 20% até 2030, impulsionado pelo aumento dos preços de roupas e calçados de lojas de departamento.

Cultura

Coletivo Errantes e a democratização da arte

Publicado há

em

por

O coletivo artístico Errantes, existente a poucos meses, está se consolidando na cena artística da Universidade Federal da Ufac e de Rio Branco.

Por Tacila Muniz

Fundado em outubro de 2023 pelos estudantes de história licenciatura da Universidade Federal do Acre (UFAC) Diego Fontenele, Jhonatas Nathan e José Lucas, o grupo apresenta desenhos que consistem em estilos ligados às referências de interesse de cada artista como o surrealismo, exploração de aspectos anatômicos e de cultura pop.

Sua origem e identidade estão intrinsecamente ligadas à universidade. O projeto que primeiramente uniu os colegas de curso foi a última edição da Semana Acadêmica de História, realizada em outubro do ano passado, onde puderam expor seus materiais pessoais. O stand chamou atenção de professores da Associação de Docentes da Ufac (ADUFAC) como a presidente Letícia Mamed, que firmou uma parceria.

Os estudantes sentiram a necessidade de se apresentarem como um grupo e não só como artistas individuais parceiros. Dessa forma criaram o coletivo, sendo sua primeira exposição como grupo, denominado “Devaneios”, realizada em 23 de novembro de 2023, na sede na ADUFAC.

A partir daí oportunidades surgiram e novos artistas foram inseridos como João Victor e Franciele Feittosa.  Além disso, uma equipe de apoio foi montada, sendo Mariana Maia e Débora Fontinele como comunicação, Lucas Nobre, Jardel França e Débora Tacana no editorial e curadoria e por fim uma equipe pedagógica, ainda em desenvolvimento, mas que já conta com João Pedro.

“É uma junção de pessoas da periferia que estão ocupando um espaço que naturalmente não é nosso”

Os integrantes falam que a ideia das últimas exposições e o que dá o tom dentro do coletivo é a possibilidade de democratizar a arte, “a arte não precisa ser cara, ela não precisa de muitos estudos, várias técnicas específicas. Cada um de nós tem técnicas diferentes, estilos diferentes, querendo passar mensagens diferentes, e ainda assim todos nós somos autodidatas e nenhum de nós representa alguma escola”, afirma José Lucas.

O coletivo também traz cada vez mais em sua identidade a utilização de materiais utilizados como tela, como pedaços de madeira e ferro avulsos, usados tanto para suprimir gastos quanto também para reciclar materiais que serviriam como lixo.

Além do ambiente universitário, para eles, a origem periférica é um grande ponto de referência para refletir sobre a prática de cada artista, mas também como o grupo pode atingir mais indivíduos em vulnerabilidade social.

 “É uma junção de pessoas da periferia que estão ocupando um espaço que naturalmente não é nosso,” acrescenta Fontenele. Por esse motivo o grupo planeja montar materiais educacionais auxiliares na prática e conhecimento artístico voltado a crianças e jovens de escolas localizadas em bairros não centrais de Rio Branco.

Como perspectiva, o grupo tem como norte continuar a prática dos ideais citados, mas também institucionalizar o coletivo na Ufac, podendo impulsionar pesquisas envolvendo cultura e arte dentro e fora dos muros da universidade,

 “É fazer um programa que vai ficar além de nós. Quando a gente sair daqui a gente quer deixar o coletivo para as gerações que vão entrar como algo dos estudantes”, explica Nobre.

Apesar do pouco tempo de existência, o grupo reflete sobre o que já foi possível construir e mantém a confiança de conquistar ainda mais, para nós, a quatro meses atrás era totalmente impensado. É muito doido você imaginar que os moleques da quebrada de Rio Branco, estão indo simplesmente expor lá no (museu) Juvenal Antunes sendo convidado. E a ideia é que a gente consiga abrir portas para que outras pessoas da quebrada também consigam fazer isso”.

Continue lendo

Cultura

Cineasta Acreana vai dirigir documentário sobre mulheres no cárcere intitulado “Amor Bandido”

Publicado há

em

por

Projeto no seguimento do audiovisual foi apresentado no edital da Lei Paulo Gustavo e a autora aguarda resultado para seguir na sua produção

Por Enilson Amorim

A cineasta e historiadora acreana Kelen Gleysse Maia dirigirá o documentário “Amor Bandido”, que abordará a história de mulheres envolvidas em crimes motivados pela influência de seus companheiros. Segundo a autora, o projeto está em fase inicial, mas as pesquisas para a realização do filme estão bem avançadas. “Para você ter uma ideia, o Brasil possui a terceira maior população carcerária do mundo, conforme uma pesquisa nacional realizada em 2022. No Acre, dados oficiais indicam um aumento gradual no número de mulheres reclusas, totalizando 231, sendo 193 em Rio Branco, 17 em Cruzeiro do Sul e 21 em Tarauacá, sem contar aquelas em que estão em regime aberto e semiaberto, sob Monitoramento Eletrônico Penitenciário”, comenta a cineasta e pesquisadora.

Kelen Gleysse Maia Andrade acumula experiência em pesquisa com grupos silenciados desde seus estudos de história até o mestrado em linguagens e identidades pela Universidade Federal do Acre (Ufac). “Já realizei diversos trabalhos com comunidades isoladas em seringais distantes e outros grupos esquecidos pelo Estado. Minhas incursões nas temáticas voltadas para as mulheres começaram com meu primeiro trabalho no audiovisual, chamado ‘Mulheres Lavandeiras’, exibido no Segundo FestCineMulher – edição 2022 realizado pela Associação Acreana de Cinema (Asacine). A partir desses trabalhos audiovisuais, surgiu a ideia de realizar o documentário ‘Amor Bandido’.”

Cineasta produzirá curta que narra as histórias de mulheres encarceradas no Acre. Foto: Cedida

No roteiro do novo documentário, a cineasta pretende denunciar as dificuldades e a negligência do poder público em relação a essas mulheres encarceradas, destacando que muitas são esposas, mães de família pobres que foram separadas de seus filhos e enfrentam diversos tipos de preconceitos dentro dos presídios. “São donas de casa que se veem largadas nos presídios, frequentemente sem garantias de saúde, higiene e proteção, violando seus direitos fundamentais e humanos.”

A cineasta planeja revelar também que essas mulheres, frequentemente sem instrução acadêmica e estrutura familiar adequada, são alojadas em presídios insalubres, escuros e malcheirosos, sem condições mínimas de higiene nas celas e com uma alimentação precária. Elas acabam nesses presídios por influência de seus companheiros, que, direta ou indiretamente, as levam ao crime devido à dependência emocional e financeira.

O documentário não busca justificar práticas criminosas, mas sim abrir espaço para novas perspectivas, estimulando discussões na sociedade e promovendo a reflexão sobre a vulnerabilidade social vivenciada pelas mulheres encarceradas atualmente. Acima de tudo, pretende assegurar que as vozes dessas mulheres não sejam silenciadas. “Este curta-metragem se compromete a dar voz a elas e influenciar o poder público a adotar uma abordagem mais humanista em relação à causa das mulheres encarceradas no Acre e no Brasil. E, principalmente, alertar outras mulheres a não entrarem no mundo do tráfico e destacar que o crime não compensa”, conclui a pesquisadora e cineasta.

Continue lendo

Esporte

Fisiculturismo no Acre: atletas ganham competições e espaço mundial em apresentações

Publicado há

em

por

Conterrâneos de Ramon Dino ganham destaque no fisiculturismo

Por Luiz Eduardo e Elis Caetano

O atleta acreano Everson Costta conquistou, em outubro de 2023, o título de Mr. Olympia Brasil, a principal competição nacional de fisiculturismo. Ele é o segundo competidor do estado a conquistar o título e irá representar o país no Mr. Olympia 2024, que acontecerá na cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos. 

Natural de Sena Madureira,  Everson é educador físico e começou sua jornada no esporte em 2018, competindo em competições amadoras. Ele destaca a emoção que sentiu ao conquistar sua primeira vitória em uma competição profissional e afirma que está determinado a se preparar para o Mr. Olympia 2024.

Everson Costta, atleta da Competição Nacional de Fisiculturismo. Foto: Reprodução/Internet

“Ser campeão do Mr. Olympia Brasil significa muito para mim. Sou o segundo acreano a realizar esse feito, o primeiro foi o Ramon, que é o segundo colocado na categoria (mundial), e estaremos juntos competindo no ano que vem. Isso é muito gratificante e a realização de um sonho em representar o Acre e o Brasil” – destaca.

Não é de hoje que o Acre tem conquistado um reconhecimento no fisiculturismo. A cena dos atletas têm sido bastante comentada mundo afora e vem crescendo não só na capital, mas em todo o estado.

Nos últimos cinco anos muitos destaques acreanos avançaram e se profissionalizaram, ganhando concursos, patrocínios e eventos importantes. Os Acreanos que representam este grupo de competidores profissionais no Acre, além de Everson Costta são, Ramon Dino, Andréa Gadelha e Herlayne Braga.

Andreia Gadelha é natural de Epitaciolândia, cidade do interior do Estado. Foto: Reprodução/Internet

Ramon Dino tem 29 anos, nasceu em Rio Branco e começou a musculação através da  calistenia na adolescência e logo se destacou por seu desenvolvimento muscular. Competiu pela primeira vez em 2017 aos 22 anos e já participou de três Mr. Olympia. Na sua estreia em 2021 ficou em quinto lugar, e no seguinte alcançou o segundo lugar.

Em outubro de 2021, Ramon venceu e conquistou o Overall (disputa entre os campeões de todas as divisões da categoria) da Classic Physique, colocando seu nome oficialmente no circuito profissional do fisiculturismo brasileiro.

Conhecido apenas como “Dino”, Ramon atualmente detém o título de vice-campeão do Mr. Olympia e campeão do Arnold Sports na categoria Classic Physique. 

Ramon Dino venceu e conquistou o Overall em outubro de 2021. Foto: Reprodução/Internet

Continue lendo

Mais Lidas