Siga a Catraia

Olhares

Mulheres mais velhas no relacionamento: ainda é um tabu?

Publicado há

em

Por Gisele Almeida e Lucas Thadeu

O relacionamento entre uma mulher mais velha e um homem mais novo ainda carrega um grande preconceito na sociedade brasileira. Dessa forma, é muito comum mulheres mais velhas passarem por constrangimentos pelo simples fato de se relacionarem com homens mais novos. Contudo, quando o fato ocorre ao contrário, em que o homem é mais velho, as reações das pessoas são alternadas, mas há uma maior aceitação.

A reportagem realizou uma enquete com 33 pessoas, por meio de um formulário compartilhado nas redes sociais para saber mais sobre a opinião das pessoas a respeito desse tabu. No questionário, 90,9% já presenciaram algum tipo de preconceito com mulheres mais velhas no relacionamento conjugal. 

Outro dado que chama atenção é a aceitação, pois 81,8% acham normal quando o homem tem de 7 a 10 anos de diferença de idade entre a namorada ou esposa. Contudo, quando perguntado ao contrário, se é normal que uma mulher tenha essa diferença de idade, 51,5% não acham que seja normal. Por fim, 66,7% dos internautas acham que a mulher mais velha sofre mais preconceito que os homens quando o assunto é idade. 

Alcimar Souza, caseiro, de 47 anos, manteve um relacionamento com uma mulher que era 12 anos mais velha que ele por quase 10 anos. Ele relata que o preconceito esteve muito presente: “às vezes a gente ia em alguns lugares, e quando chegávamos lá perguntavam se era a minha mãe ou porque estava casado com ela. Eu ficava triste com aquela situação, pois era muito preconceito em quase todos os lugares que eu ia”, relembra. 

No atual momento, ele está com outra companheira e é 7 anos mais velho. Souza afirma que a reação das pessoas com esse relacionamento é totalmente contrária ao de antes. “Ninguém nunca comentou nada relacionado à idade, é bem tranquilo”, conclui. 

Quem também passou pela mesma situação foi a Luciana Azevedo, de 43 anos, conferente de depósito, que vive uma união estável há 10 anos e é 10 anos mais velha que o companheiro. Ela afirma que no início conseguiu o apoio da família e pessoas próximas, mas foi no trabalho que ela passou por uma situação desconfortante. “Uma vez, uma pessoa que trabalhava comigo falou assim: teu filho veio aqui. Aí eu falei: que bom, quando eu estava nascendo, eu já estava grávida dele”, relembra.

Foto: Arquivo Pessoal

Além das mulheres passarem por situações como essas citadas anteriormente, elas também podem sofrer com a não aceitação dos familiares e amigos. Diferente de Azevedo, a engenheira agrônoma Leilane Benício (28 anos), diz que sofreu com a falta de apoio no início de seu relacionamento. Ela é 9 anos mais velha que seu marido Dhomini (19 anos). “Logo no início do relacionamento foi bastante o número de pessoas que não apoiavam.”

Ela também afirmou que as pessoas sempre ficam surpresas quando descobrem a diferença de idades e que a reação muitas vezes vem em conjunto com comentários e indagações preconceituosas. “A mulher é muito julgada quando é vista com um homem mais jovem que ela. Logo de cara já falam: está querendo terminar de criar? Ou está bancando tudo?”

Voz dos especialistas 

A psicóloga e psicoterapeuta reichiana Patrícia Coube explica porque casos como esses acontecem. “Esse estranhamento, o próprio tabu, é resultado de uma educação/cultura que permanece propagando a “naturalização” de uma condição: homens mais velhos mais meninas mais novas = natural/normal, em detrimento e até ridicularização do inverso. O tabu permanece enquanto há consentimento da sociedade em manter tais padrões”, explica. 

            Além disso, ela também salienta que o Estado do Acre é um local bastante conservador, pois impera a normalização de atos que não eram para ser considerados normais. “Adultério, pedofilia, homofobia… entre outros desvios de conduta… muitas destas situações passam uma falsa ideia de um estado com mais liberdade. Aqui, ainda nos deparamos com expressões do tipo: essa é para casar, essa é para curtir. O fato de existir mulheres que se relacionam com homens mais jovens, não significa que não haja preconceito”, conclui Coube. 

Administradora e especialista em gerontologia, que é o estudo dos fenômenos fisiológicos, psicológicos e sociais relacionados ao envelhecimento do ser humano, Marizete Melo destaca outro fato que pode agregar nesse tabu. “As mulheres sofrem mais por conta de uma visão estereotipada das pessoas, a causa disso é o machismo.”

Outro aspecto ressaltado é a supervalorização da juventude associada à beleza presente na sociedade, o que afeta as mulheres maduras. “Além das alterações no corpo feminino em seu envelhecimento, também contribuem para o fator da insegurança e baixa estima. A mulher se sente com uma estima um pouco abalada por conta de seu corpo não ser o mesmo”, explica.

Mulher mais nova no relacionamento

        E quando a situação ocorre com a mulher sendo mais jovem? Então, a psicóloga Coube afirma que não é porque a mulher é mais nova que não irá sofrer algum tipo de preconceito. Como a jornalista, Camila Holsbach, de 33 anos, que é 16 anos mais nova que o marido, Márcio Bleiner, de 49. Eles estão juntos há quase 15 anos, se conheceram por meio da rádio em que ele trabalhava, era radialista, e ela o ouvia todos os dias. 

A jornalista relembra que no início do relacionamento as pessoas ficavam criticando-a, por ela ter 19 anos e ele 35. “Tinha gente que falava pro Bleiner que ele precisa de uma mulher de verdade, não de uma “menina”. Diziam que eu não ia dar conta, que quando ele precisasse de verdade de uma companheira eu sairia fora. Bem… todos equivocados! Estamos, há quase 15 anos, firmes e fortes – e vencendo”, destaca. 

Foto: Arquivo pessoal

O casal tem quatros filhos, um do relacionamento deles e os outros três são do relacionamento anterior do seu marido. Apesar da diferença de idade, isso nunca foi um empecilho para Holsbach. 

“Acho que a diferença de idade foi uma das principais coisas que me fez gostar ainda mais dele. Nunca gostei de me relacionar com pessoas da minha faixa etária, então, pra mim, foi tranquilo. Mas havia os “olhares tortos”.” Ela conta, rindo, que algumas vezes se considera “mais velha” do que ele. “Continuamos nos dando muito bem e achando que a diferença de idade nunca foi um empecilho, mas um fator que contribuiu muito para termos dado tão certo”, concluiu.

Pontas de esperança

Apesar das evidências de um preconceito estrutural em muitas sociedades, existem casais que podem contar uma história diferente, como é o caso do jornalista Márcio Souza, que é 6 anos mais jovem que a esposa Emanuele Souza. Eles não relataram vivências de preconceito em relação à diferença de idade, e consideram que boa parte dos preconceitos sociais decorre de uma estrutura educacional familiar, pois a educação e respeito ao próximo vêm de casa.

“Acreditamos que depende muito da criação. Parafraseando um velho ditado: comentários de casa vão à rua. Se existe preconceito, machismo, homofobia, racismo no dia a dia da família (breves comentários, frases, palavras cheias de estereótipos, por exemplo) sem dúvida isso vai refletir no comportamento fora. Por isso, tentamos ser o mais didáticos possível e libertos desses estereótipos ao responder uma pergunta para nossa filha,” diz Souza.

Foto: Arquivo Pessoal 

Eles contam que a idade em nenhum momento foi um tabu, seus amigos e familiares nunca os criticaram por isso. “Não sofremos ou enfrentamos preconceito de ninguém do nosso ciclo de amizade. Os familiares, no entanto, pensaram que a Manu estava grávida, por causa da rapidez”, diz ele sobre o namoro rápido antes do casamento. “No mais, só comentários como “o leite tá caro” ou “melhor comprar leite do que remédio”.”

No caso da professora Katianny Andrade (14 anos mais velha que seu parceiro), ela conta que não encontrou problema de opinião preconceituosa das pessoas, mas que ela em si teve receios. “De início eu fui bem sincera de que eu não queria me relacionar com ele. Eu que tinha preconceito… Nós mulheres ligamos muito pra vaidade”, concluiu. 

Foto: Arquivo Pessoal

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Olhares

Acre: um Estado sexagenário com muitas histórias para contar

Publicado há

em

por

Por Marcos Jorge Dias

Não há como escrever sobre o Estado do Acre sem pensar nas estórias que  minha avó contava nas noites iluminadas por lamparinas. Seu olhar lacrimoso e  distante, refletido nas chamas bruxuleantes, nos conduzia ao passado com os  nossos ancestrais. Os homens mortos nas “correrias” e as mulheres caçadas a  dente de cachorro, amansadas e estupradas, para procriar mão de obra para os  seringais. Lembranças que a cada dia se diluem na fumaça das queimadas.

O Território se fez Estado… com muita luta!

Mapa do estado do Acre/Fonte: guiageo.com/acre.htm

O Acre era um pedaço esquecido e isolado do Brasil. O Tratado de Petrópolis,  aprovado por Lei federal de 25 de fevereiro de 1904 e regulamentada por decreto  presidencial de 7 de abril de 1904, incorporou o Acre como território brasileiro.  “O Movimento Autonomista começou imediatamente com a criação do Território  do Acre. O próprio assassinato do Plácido de Castro foi um resultado dessa  disputa”, conta o historiador Marcos Vinícius das Neves. As insatisfações geradas contra a  União fizeram com que os acreanos se revoltassem, dando início a insurreições. A luta pela autonomia acreana não se deu só por conquista dos direitos políticos  de seus cidadãos, mas também, pela possibilidade do desenvolvimento  econômico e qualidade de vida dos acreanos. Até que em 15 de Junho de 1962 foi sancionada pelo Presidente da República  João Goulart a Lei 4.070, que elevou o Acre à categoria de Estado. Em outubro de 1962 foi eleito o primeiro governador do Estado do Acre, José Augusto de  Araújo. 

E aí chegaram os “paulistas”

Nas décadas de 70 e 80 do século passado a região foi cenário das grandes  disputas pela posse da terra entre seringueiros e os chamados “paulistas”. Hoje,  nas margens da Rodovia, que requer constante manutenção pelo DNIT, estão  consolidadas as grandes fazendas de gado, plantios de milho e de cana-de açúcar, que já estão sendo substituídas pela soja. 

Durante os 20 anos (1999-2019) em que o Partido do Trabalhadores governou  o Acre, foram feitos grandes investimentos estruturais na região: Zona de  Processamento de Exportação-ZPE (Senador Guiomard); Usina Álcool Verde  (Capixaba); Fábrica de preservativos NATEX, indústria de beneficiamento de  madeiras e polo moveleiro (Xapuri); polo moveleiro de Epitaciolândia; Fábrica de  ração, frigorífico Dom Porquito, abatedouro Acreaves e pousada Ecológica  (Brasiléia), entre outros investimentos na área de produção, conservação  ambiental e desenvolvimento sustentável na Reserva Extrativista Chico Mendes  que abrange 4 municípios da região. Há época foi construído um projeto político  que deu base ao sonhado desenvolvimento sustentável. 

Contudo, vários problemas de gerenciamento nos complexos projetos que  envolviam: estrutura, gestão de pessoal, administração financeira e etc.,  acrescidos com a arrogância e vaidade de alguns “reis e faraós” que assumiram  as chefias do governo e do partido, contribuíram para o fracasso das iniciativas  que consumiram milhões em recursos humanos e financeiros, nacionais e  estrangeiros. 

Atualmente, passados 60 anos de elevação à condição de Estado, o Acre vive momentos de profundas incertezas e continua na busca de um modelo de  desenvolvimento econômico que atenda as demandas das suas diferentes  camadas sociais. Enquanto isso… a boiada vai passando! 

No começo… Havia o cantar dos pássaros, o assobio do vento, o piar das corujas, o estalar das  sementes, o gotejar da chuva nas folhas, o barulho da água correndo por meio dos grotões. O  vento trazia da floresta os sons dos invisíveis. Quando a tarde ia caindo – levando o sol no rumo  do oriente – tinha o banho no rio, a lua nascendo brilhante. E começava a noite. Passava a rasga mortalha, gritava o gogó de sola na beira da mata. E na roda em volta da fogueira, sob a luz  azulada da lua, as estórias eram contadas. 

Foi no tempo em que a terra não tinha dono, não tinha fronteiras e os rios corriam cheios na época das chuvas e fazia praia no tempo da friagem. O povo que vivia na mata não tinha doença  e não brigava entre si. Os papagaios comiam no mesmo barreiro que o caititu. Os brabos vinham  em bandos. Subindo a correnteza em ubá grande que roncava sem parar. Espantavam as araras  das ingazeiras da beira do rio e matavam tudo que viam. Socó, quatipuru e jaçanã quem nem  serve para comer, virava embiara. E assim começou o fim.

Numa noite em que a lua não veio e o povo dormia na sacupema da grande samaúma ouviu-se  um espoco e depois o clarão na mata escura. Depois as cargas quentes de chumbo, entrando  nas carnes dos que dormiam sem saber o que estava acontecendo. 

Os brabos naquela noite mataram todos os guerreiros, velhos, curumins, e as mulheres que não  conseguiram amarrar. O cheiro de sangue misturado com pólvora correu a mata. Os que  puderam correram para o centro e se esconderam. Mas os brabos tinham pau de fogo que matava de longe. Tinham sede de sangue e do leite que descia da seringueira quando era  cortada. Mas isso foi num tempo que ficou pra trás. Dias, Marcos Jorge. “Estórias do Aquiry & Outros Mundos”, Editora Xapuri, 2017. Literatura, Mitos e Lendas

Continue lendo

Campus

Monografia na pandemia: os desafios impostos pela Covid-19 para quem deseja concluir a graduação

Publicado há

em

Isolamento social fez com que orientandos, orientadores e gestores buscassem alternativas para garantir que estudantes realizassem o sonho de colar grau / Foto: Arquivo pessoal / Pâmela Freitas

Por Gabriel Vercoza Alves e Renato Menezes

Com o objetivo de reduzir os impactos da pandemia de Covid-19 na rotina universitária a comunidade acadêmica precisou se ajustar para continuar, mesmo de forma virtual, o preparo para a defesa do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). No entanto, as dificuldades para com a nova modalidade de estudo ainda causam insegurança em quem está esperando ansiosamente pelo diploma universitário.

Com a estudante do curso de Licenciatura em História, Alice Leão, não está sendo diferente. A acadêmica cursa o sétimo período da graduação na Universidade Federal do Acre (Ufac) e está tendo que lidar com ruídos externos e internos em casa que acabam atrapalhando a concentração que deseja para escrever e elaborar o TCC. “O ambiente não é propício aos estudos, tenho dificuldade de concentração e tudo acaba influenciando e dificultando ainda mais”, comenta.

Por conta da impossibilidade de ir à Ufac, ela teve que fazer pesquisas bibliográficas de forma on-line, como na Biblioteca Nacional Digital, e seguir as dicas do seu orientador Airton Chaves. Um dos medos da estudante na reta final diz respeito a instabilidade da internet que pode ser um contratempo na hora de apresentar o trabalho já que o Acre tem problemas constantes com rompimentos de fibra. “Tenho medo de não ter conexão de internet no dia da apresentação, ou até mesmo que a internet caia. Fico insegura”, diz.

Estudante conta que, por necessidade, precisou comprar um computador de mesa novo e um Kindle para auxiliar em seus estudos / Foto: Arquivo pessoal

SOBRECARGA

A acadêmica do 7º período do curso de Licenciatura em Letras/Libras, Katriny Almeida, também teme que problemas de instabilidade com internet seja o fator de dificuldade ao defender o TCC. O tema do trabalho dela, feito em conjunto com a estudante Adriele Costa e orientado pela professora Ivanete Cerqueira, é “A iconicidade da língua de sinais caseira de surdos do município de Porto Walter – AC”.

“Acredito que uma das maiores dificuldades tenha sido a sobrecarga com relação a outras disciplinas, assim como dificuldade de algumas vezes encontrar o momento em que a orientadora tivesse disponível e minha dupla também. Agora a preocupação é com relação a tecnologia pois sabemos que elas falham, então temos receio de faltar energia, internet ou ter algum problema técnico que prejudique a apresentação”, fala.

“FIQUEI NESSE SENTIMENTO POR MESES”

A estudante do 8º período de Jornalismo da Ufac, Pâmela Rocha de Freitas, precisou aprender a estudar no ensino remoto justamente no momento em que teve que fazer o TCC. Além disso, por diversas vezes se sentiu desanimada em ver que atrasaria seus estudos.

“No começo da pandemia eu achava que duraria um mês, estava super empolgada em formar e terminar no tempo correto. Conforme o tempo foi passando e as coisas pioraram eu entrei em uma tristeza e desânimo enormes. Não sabia quando iria me formar, não queria mais estudar. A pandemia ia me atrasar toda na faculdade – me atrasou um ano. Fiquei nesse sentimento por meses”, comenta.

Universidade Federal do Acre encontra-se com suas atividades presenciais suspensas por conta da pandemia da Covid-19 em concordância com a Resolução nº 04, de 30 de março de 2020 / Foto: Renato Menezes

Sobre as orientações, a acadêmica disse que elas foram cruciais para que a pesquisa desse prosseguimento. Orientada pela professora Francielle Modesto, seguiu um cronograma semanal que envolvia prazos. Isto, juntamente com a troca frequente de e-mails e de encontros virtuais, contribuíram para que Pâmela voltasse ao ritmo de escrita a que estava habituada antes da pandemia e desse continuidade ao TCC de tema “A ética jornalística na cobertura de um linchamento em Capixaba: um estudo sobre as notícias de caso publicadas na ContilNet Notícias e G1 Acre”, apresentado no dia 10 de junho e aprovado com média 10.

“Conversávamos por e-mail, às vezes, mais de uma vez por dia. Na verdade, tinha dias que trocávamos mais e-mails do que eu troco mensagens com minhas amigas. Sempre que surgia uma dúvida, algo que eu queria mudar, acrescentar, ou tinha visto, eu mandava para ela. E ela igualmente me mandava as coisas que ela encontrava para poder me ajudar na pesquisa. Marcamos reuniões on-line para eu apresentar o andamento da pesquisa para ela e até para ensaiar minha apresentação para a banca”, pontua.

Troca de mensagens e de e-mails entre alunos e professores foi a forma encontrada para nortear a escrita do TCC à distância / Foto: Gabriel Verçoza

CADA ALUNO NO PRÓPRIO RITMO

A professora Francielle Modesto foi orientadora de Pâmela e de mais dois alunos do curso de Jornalismo e disse que cada orientando escreve no próprio ritmo, principalmente durante este período onde alguns adoeceram ou tiveram parentes que foram contaminados. No entanto, organiza um plano de atividades para que a produção flua.

“Foi possível manter o suporte aos alunos e garantir o distanciamento social necessário para nos protegermos da Covid-19. Para resolver a questão da falta da biblioteca, por exemplo, eu procurei e-books, artigos, dissertações e teses, e enviei por e-mail aos alunos para que eles não ficassem sem o conteúdo necessário para pesquisar”, complementa.

ESFORÇOS

Sobre os métodos que a Ufac tem buscado para que as produções não parassem, a Pró-Reitoria de Graduação, Ednaceli Damasceno, diz que a instituição vem promovendo, desde setembro de 2020, capacitações e formações para docentes e coordenadores de curso por meio da Escola de Formação da Docência Universitária para que as atividades migrassem para o ambiente virtual, tais como reuniões de colegiado e bancas de TCC.

“Desde a suspensão das atividades presenciais, as defesas dos trabalhos de conclusão de curso estão ocorrendo de forma virtual, e nós capacitamos, junto com o Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI), os coordenadores e alguns docentes para usar as plataformas digitais, e aí desde então esta defesa vem sendo autorizada a ocorrer de forma virtual. A Prograd também tem uma instrução normativa de nº 01, de 13 de abril de 2020, em que ela também recomenda que algumas atividades ocorram de forma virtual, e uma destas é o TCC”, diz.

Pró–Reitora de Graduação da Ufac fala que enquanto não houver condições sanitárias adequadas, as atividades presenciais continuarão suspensas para garantir a saúde da comunidade acadêmica /Foto: Arquivo Pessoal

A pró-reitora também ressalta que o ambiente presencial é o mais propício para desenvolver as atividades. Contudo, pontua que o momento é de cautela e de importância do resguardo da saúde dos técnicos-administrativos, docentes e alunos.

“É claro que a gente não vê o momento de retornar às atividades presenciais que é a forma como, historicamente e predominantemente, as instituições públicas de ensino utilizam em termos de modalidade de ensino. Enquanto não for possível, vamos continuar a seguir usando os meios digitais necessários para defender a saúde e a vida de toda a comunidade acadêmica”.

EM OUTROS ESTADOS

A jornalista Ariel Bentes, recém-formada pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), foi uma das muitas estudantes brasileiras que passaram por este processo de forma totalmente remota. Intitulado “Mídia e violência contra a mulher: a abordagem jornalística do feminicídio no Portal do Holanda” o trabalho da jornalista foi estruturado, apresentado e aprovado pela banca examinadora no final de 2020 de maneira totalmente online.

Ela conta que tinha data marcada para a primeira apresentação do TCC em março de 2020, quando surgiram os primeiros casos de contaminados por Covid-19 em Manaus e a Ufam teve que suspender o semestre. Isto fez com que a jornalista tivesse mais um atraso na escrita do material que deveria ter sido entregue no segundo semestre de 2019, mas foi impossibilitada por questões pessoais.

Aluna do curso de Comunicação Social – Jornalismo, na Universidade Federal do Amazonas, Ariel Bentes concluiu a graduação em meio à pandemia da Covid-19 de forma remota / Foto: Arquivo Pessoal

“TRIPLA PRESSÃO”

A preparação de Ariel se tornou ainda mais difícil por alguns problemas envolvendo tecnologia, pressão psicológica, saúde mental e produtividade em um momento atípico. “O processo de produzir um trabalho de conclusão de curso já é muito complicado, já existe uma pressão no meio disso e para mim houve ainda mais pois tinha tentado fazer essa entrega em 2019, não consegui finalizar e estava fazendo essa segunda tentativa em 2020. Me sentia com uma tripla pressão”.

Para se preparar da forma como gostaria, ela pediu demissão do emprego, passou a fazer trabalhos freelancers na área e começou uma rotina de estudos que demandava tempo de pesquisa e inúmeras trocas de mensagens e e-mails com a orientadora Ivânia Vieira.

Apesar do nervosismo, o fato de ter apresentado o TCC de forma online a deixou mais tranquila no sentido de não ter que ficar “cara a cara” com a banca. Porém, não considerou fácil a experiência de ter que produzir em plena pandemia. “Uns três dias antes de fazer a defesa houve um falecimento na família de um tio meu por infarto fulminante, então fiquei bem abalada, mas fui bem instruída pela minha orientadora de como fazê-la online”.

Colação de grau do curso de Jornalismo da Ufam ocorreu de forma online / Foto: Arquivo pessoal

Continue lendo

Cotidiano

Frio agrava vulnerabilidade de pessoas em situação de rua em Rio Branco

Publicado há

em

O Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro POP) é a instituição responsável por receber e distribuir as doações às pessoas em situação de rua e vulnerabilidade

Por Guilherme Limes e Gabriel Freire

Eles possuem a rua como espaço para morar. Embaixo de pontes, nos bancos de praças, em espaços comerciais abandonados, em esquinas de ruas, embaixo de árvores, eles estão por toda parte da capital acreana. Dados da Secretaria de Assistência Social apontam que em 2020 mais de 150 pessoas viviam nas ruas de Rio Branco.

Na tentativa de minimizar o impacto das baixas temperaturas na capital entre essa população, o Ministério Público do Acre  em parceria com o Núcleo de Apoio e Atendimento Psicossocial (Natera), Secretaria de Assistência Social de Rio Branco e projetos sociais lançaram a campanha do agasalho “O frio passa, a solidariedade fica” no intuito de angariar roupas, cobertores e agasalhos para doar às pessoas em situação de vulnerabilidade social.

 A iniciativa tem por objetivo garantir a segurança e bem-estar da população em situação de rua e busca oferecer refeições e um lugar temporário para morar para essas pessoas. As doações podem ser realizadas na sede do Ministério Público do Acre, das 8h às 18h, na recepção ou na guarita do prédio e serão entregues ao Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro POP).

De acordo com a coordenadora do Centro POP, Keilla Carvalho, ainda não há um número exato de pessoas que estão sendo beneficiadas com a ação porque a campanha continua ativa e estão recebendo mais doações.

A situação  expõe uma estrutura social injusta e mostra uma parcela da sociedade invisibilizada. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mais de 220 mil pessoas vivem em situação de rua no Brasil. No Acre, dados do Ministério Público do Estado estimam que 800 pessoas vivem em situação de rua. Os dados tomam como base levantamento do Núcleo de Atendimento Terapêutico Psicossocial em Dependência Química (Natera)

O coordenador do Natera, Fábio Fabrício, explica que desde o ano passado o MP vem atuando com a iniciativa da campanha quando ocorre quedas de temperaturas atípicas no estado.

“Não se trata apenas de uma campanha caritativa, claro que temos a dimensão da solidariedade e colaboração. Mas todas as entregas são realizadas para as políticas públicas. Então toda a campanha surge a partir dessa preocupação do MP.”, explicou.

Desde a semana passada o Natera e o MP vem fazendo o acompanhamento das condições de temperaturas que iriam atingir o estado e afetar a população em situação de vulnerabilidade socioeconômica e de rua. Segundo o coordenador, a campanha é interna e externa para recolher as doações.

Continue lendo

Mais Lidas