Siga a Catraia

Notícias

Visibilidade e realidade de uma travesti que estuda na Ufac

Publicado há

em

Aluna relata situações cotidianas e violências: “eu não deveria nem mesmo ter me inscrito no Enem.”

Por Wisney Berig e Luiz Eduardo Souza de Oliveira

O Dia da Visibilidade Trans é comemorado em 29 de janeiro e 2024 marca seu vigésimo ano de existência. Essa data foi definida por uma ação do antigo Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde que procurava promover a campanha “Travesti e Respeito”, e desde então o dia ficou como marco para a luta e visibilidade da população trans e travesti no Brasil.

O Acre é um estado com uma população de cerca de 800 mil habitantes, dos quais aproximadamente 2,8% se identificam como LGBTQIA+. Dentro desse grupo, as pessoas trans enfrentam muitos desafios, entre eles a transfobia.

A transfobia é a discriminação ou o preconceito contra pessoas transgênero, que pode se manifestar de diversas formas, como o assédio verbal ou físico, a discriminação no trabalho ou em qualquer âmbito social, e a violência física ou sexual.

No Acre, a transfobia é uma realidade cotidiana para as pessoas trans, que passam cada vez mais a ocupar espaços importantes dentro da sociedade. Entretanto, nem sempre esta mesma sociedade está preparada para acolhê-las. Elas relatam que são frequentemente alvo de preconceito e discriminação, seja por parte de familiares, amigos, colegas de trabalho ou desconhecidos.

A travesti e estudante do curso de Licenciatura em Biologia, Morgana Café, divide um pouco da sua experiência dentro da Universidade Federal do Acre (Ufac), abordando suas vivências, dificuldades, pontos positivos, negativos e aspectos a serem olhados com mais atenção pela instituição.

A vida não é um conto de fadas

Morgana Café é uma estudante bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic), que realiza pesquisas no Laboratório de Botânica e Ecologia Vegetal (Labev) e expressa como sua vivência dentro da instituição tem sido difícil. Especialmente no quesito de respeito à pessoa que ela é.

Morgana Café se apresenta / Foto: Wisney Berig

A entrevistada aponta que em sua vivência dentro do curso de Biologia precisa sentar-se na cadeira e ouvir professores e professoras falando sobre sexo e gênero como se fossem a mesma coisa. E que a falta de atualização pode acabar reproduzindo violências com pessoas trans e travestis.

“Não era pra eu estar aqui, e isso é claramente exposto de maneira rotineira. Fico de frente com determinadas situações que falam realmente: ‘olha você não é daqui, você não é pra estar aqui, entende?’ Que eu não deveria nem mesmo ter me inscrito no Enem”, revela Morgana.

Ela aponta ainda que isso ocorre das mais diversas maneiras. “São situações violentas, e isso vai de muitas coisas como falta de estrutura, o não respeito pelo meu nome, que agora é meu nome civil, portas se fechando. Se eu fosse um homem branco cis eu teria mais oportunidade do que eu tenho agora”, explica.

Segundo o estudo realizado por Marcela Carvalho, em 2022, 82% das pessoas trans e travestis saíram das escolas, apontando que essas violências que ocorrem com Morgana não são casos isolados e ocorrem no Brasil inteiro. Mas nem sempre têm a devida visibilidade e nem produção de políticas públicas que amparem essas pessoas.

A Associação Nacional de Travestis e Transsexuais (Antra) apresentou em 2023 que esses dados são influenciados pela não empregabilidade de pessoas trans e travestis, e que 90% das mulheres trans e travestis ainda tem a prostituição como principal ou a única fonte de renda.

Dentro da Ufac há poucas pessoas que se identificam desta maneira. Morgana Café confessa que se sente solitária dentro do seu curso e que apesar de as pessoas que trabalham com ela no Laboratório a respeitarem, compartilhar sua vivência com outra pessoa trans seria algo ímpar. Além de ser a única e a primeira travesti da Biologia da Ufac, ela diz que esse pioneirismo é um peso que ela não gostaria de carregar.

Morgana Café conta dificuldades para uma travesti na Ufac / Foto: Wisney Berig

Atualmente a Ufac dispõe de nomes sociais para pessoas que não conseguiram retificar seus documentos. No entanto, ainda há resistência por parte de professores e estudantes respeitarem o nome social. 

Segundo Morgana, a Ufac tem mecanismos para acolher e promover o acolhimento de pessoas trans e travestis, mas não o faz adequadamente. “A Ufac tem acesso à informação e não percebe isso como algo relevante para a permanência de pessoas trans e travestis na universidade.”

Existem algumas ações que a própria estudante aponta como importantes para o acolhimento desta população:

  • Criar cotas específicas para esse segmento;
  • Procurar pessoas trans e travestis para poder auxiliar no processo de inclusão do nome social dentro da universidade;
  • Promover formação para professores, a garantia de permanência não está relacionada apenas ao respeito;
  • Auxílio financeiro por meio de bolsas.

A rede de apoio é uma das formas que a pesquisadora aponta como possibilidade para enfrentar a solidão. “Se entender como uma travesti é perder direitos, nos é retirado até mesmo o direito de poder amar. Eu me sinto muito sozinha aqui na Ufac, aqui no curso”, revela a estudante. Encontrar e fazer trocas com outras pessoas trans e travestis é uma maneira que ela encontrou para conseguir aliviar um pouco. 

Além de limitações ao acesso à educação, há outras formas de exclusão, como o acesso reduzido à saúde, já que muitos locais não acolhem bem essa população, por não terem profissionais capacitados. 

Travesti também é professora

Em seu relato, Morgana comenta um pouco dessa relação entre fazer um curso que lhe tornará uma professora e ser uma professora que também é travesti. Ela irá se deparar em um futuro próximo com as salas de aula, como uma professora de Biologia, mas já vivenciou percalços dentro do âmbito escolar. Durante seu estágio em uma escola, ela foi repreendida pela maneira como se apresentava naquele espaço. 

Ela disse que suas vestimentas foram vistas como um problema. Não por serem indecentes ou inadequadas, mas por ser uma travesti que está usando roupas ditas como femininas.  “Essas pessoas não conseguem entender o quão importante é a vestimenta para travesti, principalmente porque a gente tem que usar esses apetrechos como mecanismo para que a gente consiga passar, se não a gente passa por situações transfóbicas”.

E não foi só nos locais onde fez estágio que sentiu esse desconforto. Na universidade as suas roupas já foram questionadas e alguns professores ainda a chamam no masculino. Durante as eleições do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Ufac, quando fez parte de uma chapa, ela relembra que foi questionada por uma antiga professora, que a chamou no masculino e ainda tentou usar o nome morto. E ainda foi vítima de ameaças veladas por uma aluna do curso de Nutrição. O caso foi noticiado pela mídia local.

Caso de transfobia na Ufac

A aluna Morgana Café disse que sofreu ataques de outra aluna da instituição. O que era para ser uma disputa entre concorrentes nas eleições do Diretório Central dos Estudantes (DCE) virou uma acusação criminal.

Em uma postagem nas redes sociais, uma acadêmica de Nutrição comentou: “O preço que eu pago por ouvir, ler e ver é grande viu?!”  Ela completou a publicação dizendo: “fui obrigada a sair da sala para usar o meu réu primário em um caso mais extremo”. A declaração teve como referência o uso de linguagem neutra utilizados em um panfleto distribuído. 

A vítima comentou o caso em entrevista ao jornal A Gazeta do Acre, contou como sentiu-se em relação ao caso. “Me mostraram de manhã cedo e eu nem liguei, só passei o olho. Mas depois me mandaram um print, numa conversa privada, e eu fiquei em choque. Distorceram o que eu falei e ainda “higienizaram” minha imagem. Foi algo nojento, violento e baixo”.

Morgana Café disse que vai conversar com a ouvidoria da Ufac para abrir um processo contra a aluna. E relata que o maior impacto foi que os comentários partiram de outra mulher, que ela deveria ter consciência do que é sofrer descriminação. 

O Centro Acadêmico do curso de Nutrição se pronunciou através de suas redes sociais, afirmando que não compactua com as ações da aluna e que não pode concordar que a orientação sexual ou identidade de gênero continue sendo alvo de violência. 

“É urgente combater a transfobia em um país que ocupa 1º lugar no ranking mundial dos assassinatos de pessoas trans e travestis, durante os últimos 14 anos. Pesquisas realizadas em 2019 denunciam que 99% da população LGBTQIA + afirmaram não se sentirem seguras no país e que diariamente onze pessoas trans são agredidas no Brasil. A expectativa média de vida de travestis e transexuais é de apenas 35 anos, contra 75 do restante da população”, diz trecho do pronunciamento.

A estudante de Nutrição não quis se pronunciar sobre o caso e não falou com a nossa equipe. 

Para finalizar, Morgana Café, diz que a escolha do seu nome está relacionada com histórias que eram contadas por homens. “Morgana sempre foi a bruxa, a fada, a traidora, a suja. Eu quero ser a Morgana, que ressignifica tudo isso, eu conto a minha própria história e não contada por homens, mas sim por uma travesti! Quero mostrar que eu também sou mutável e eu posso trazer mudanças.”

É importante celebrar os campos que tiveram avanço, mas não podemos esquecer que ainda há uma realidade triste vivida pela grande maioria de pessoas trans no Brasil.

Cultura

Coletivo Errantes e a democratização da arte

Publicado há

em

por

O coletivo artístico Errantes, existente a poucos meses, está se consolidando na cena artística da Universidade Federal da Ufac e de Rio Branco.

Por Tacila Muniz

Fundado em outubro de 2023 pelos estudantes de história licenciatura da Universidade Federal do Acre (UFAC) Diego Fontenele, Jhonatas Nathan e José Lucas, o grupo apresenta desenhos que consistem em estilos ligados às referências de interesse de cada artista como o surrealismo, exploração de aspectos anatômicos e de cultura pop.

Sua origem e identidade estão intrinsecamente ligadas à universidade. O projeto que primeiramente uniu os colegas de curso foi a última edição da Semana Acadêmica de História, realizada em outubro do ano passado, onde puderam expor seus materiais pessoais. O stand chamou atenção de professores da Associação de Docentes da Ufac (ADUFAC) como a presidente Letícia Mamed, que firmou uma parceria.

Os estudantes sentiram a necessidade de se apresentarem como um grupo e não só como artistas individuais parceiros. Dessa forma criaram o coletivo, sendo sua primeira exposição como grupo, denominado “Devaneios”, realizada em 23 de novembro de 2023, na sede na ADUFAC.

A partir daí oportunidades surgiram e novos artistas foram inseridos como João Victor e Franciele Feittosa.  Além disso, uma equipe de apoio foi montada, sendo Mariana Maia e Débora Fontinele como comunicação, Lucas Nobre, Jardel França e Débora Tacana no editorial e curadoria e por fim uma equipe pedagógica, ainda em desenvolvimento, mas que já conta com João Pedro.

“É uma junção de pessoas da periferia que estão ocupando um espaço que naturalmente não é nosso”

Os integrantes falam que a ideia das últimas exposições e o que dá o tom dentro do coletivo é a possibilidade de democratizar a arte, “a arte não precisa ser cara, ela não precisa de muitos estudos, várias técnicas específicas. Cada um de nós tem técnicas diferentes, estilos diferentes, querendo passar mensagens diferentes, e ainda assim todos nós somos autodidatas e nenhum de nós representa alguma escola”, afirma José Lucas.

O coletivo também traz cada vez mais em sua identidade a utilização de materiais utilizados como tela, como pedaços de madeira e ferro avulsos, usados tanto para suprimir gastos quanto também para reciclar materiais que serviriam como lixo.

Além do ambiente universitário, para eles, a origem periférica é um grande ponto de referência para refletir sobre a prática de cada artista, mas também como o grupo pode atingir mais indivíduos em vulnerabilidade social.

 “É uma junção de pessoas da periferia que estão ocupando um espaço que naturalmente não é nosso,” acrescenta Fontenele. Por esse motivo o grupo planeja montar materiais educacionais auxiliares na prática e conhecimento artístico voltado a crianças e jovens de escolas localizadas em bairros não centrais de Rio Branco.

Como perspectiva, o grupo tem como norte continuar a prática dos ideais citados, mas também institucionalizar o coletivo na Ufac, podendo impulsionar pesquisas envolvendo cultura e arte dentro e fora dos muros da universidade,

 “É fazer um programa que vai ficar além de nós. Quando a gente sair daqui a gente quer deixar o coletivo para as gerações que vão entrar como algo dos estudantes”, explica Nobre.

Apesar do pouco tempo de existência, o grupo reflete sobre o que já foi possível construir e mantém a confiança de conquistar ainda mais, para nós, a quatro meses atrás era totalmente impensado. É muito doido você imaginar que os moleques da quebrada de Rio Branco, estão indo simplesmente expor lá no (museu) Juvenal Antunes sendo convidado. E a ideia é que a gente consiga abrir portas para que outras pessoas da quebrada também consigam fazer isso”.

Continue lendo

Cultura

Cineasta Acreana vai dirigir documentário sobre mulheres no cárcere intitulado “Amor Bandido”

Publicado há

em

por

Projeto no seguimento do audiovisual foi apresentado no edital da Lei Paulo Gustavo e a autora aguarda resultado para seguir na sua produção

Por Enilson Amorim

A cineasta e historiadora acreana Kelen Gleysse Maia dirigirá o documentário “Amor Bandido”, que abordará a história de mulheres envolvidas em crimes motivados pela influência de seus companheiros. Segundo a autora, o projeto está em fase inicial, mas as pesquisas para a realização do filme estão bem avançadas. “Para você ter uma ideia, o Brasil possui a terceira maior população carcerária do mundo, conforme uma pesquisa nacional realizada em 2022. No Acre, dados oficiais indicam um aumento gradual no número de mulheres reclusas, totalizando 231, sendo 193 em Rio Branco, 17 em Cruzeiro do Sul e 21 em Tarauacá, sem contar aquelas em que estão em regime aberto e semiaberto, sob Monitoramento Eletrônico Penitenciário”, comenta a cineasta e pesquisadora.

Kelen Gleysse Maia Andrade acumula experiência em pesquisa com grupos silenciados desde seus estudos de história até o mestrado em linguagens e identidades pela Universidade Federal do Acre (Ufac). “Já realizei diversos trabalhos com comunidades isoladas em seringais distantes e outros grupos esquecidos pelo Estado. Minhas incursões nas temáticas voltadas para as mulheres começaram com meu primeiro trabalho no audiovisual, chamado ‘Mulheres Lavandeiras’, exibido no Segundo FestCineMulher – edição 2022 realizado pela Associação Acreana de Cinema (Asacine). A partir desses trabalhos audiovisuais, surgiu a ideia de realizar o documentário ‘Amor Bandido’.”

Cineasta produzirá curta que narra as histórias de mulheres encarceradas no Acre. Foto: Cedida

No roteiro do novo documentário, a cineasta pretende denunciar as dificuldades e a negligência do poder público em relação a essas mulheres encarceradas, destacando que muitas são esposas, mães de família pobres que foram separadas de seus filhos e enfrentam diversos tipos de preconceitos dentro dos presídios. “São donas de casa que se veem largadas nos presídios, frequentemente sem garantias de saúde, higiene e proteção, violando seus direitos fundamentais e humanos.”

A cineasta planeja revelar também que essas mulheres, frequentemente sem instrução acadêmica e estrutura familiar adequada, são alojadas em presídios insalubres, escuros e malcheirosos, sem condições mínimas de higiene nas celas e com uma alimentação precária. Elas acabam nesses presídios por influência de seus companheiros, que, direta ou indiretamente, as levam ao crime devido à dependência emocional e financeira.

O documentário não busca justificar práticas criminosas, mas sim abrir espaço para novas perspectivas, estimulando discussões na sociedade e promovendo a reflexão sobre a vulnerabilidade social vivenciada pelas mulheres encarceradas atualmente. Acima de tudo, pretende assegurar que as vozes dessas mulheres não sejam silenciadas. “Este curta-metragem se compromete a dar voz a elas e influenciar o poder público a adotar uma abordagem mais humanista em relação à causa das mulheres encarceradas no Acre e no Brasil. E, principalmente, alertar outras mulheres a não entrarem no mundo do tráfico e destacar que o crime não compensa”, conclui a pesquisadora e cineasta.

Continue lendo

Esporte

Fisiculturismo no Acre: atletas ganham competições e espaço mundial em apresentações

Publicado há

em

por

Conterrâneos de Ramon Dino ganham destaque no fisiculturismo

Por Luiz Eduardo e Elis Caetano

O atleta acreano Everson Costta conquistou, em outubro de 2023, o título de Mr. Olympia Brasil, a principal competição nacional de fisiculturismo. Ele é o segundo competidor do estado a conquistar o título e irá representar o país no Mr. Olympia 2024, que acontecerá na cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos. 

Natural de Sena Madureira,  Everson é educador físico e começou sua jornada no esporte em 2018, competindo em competições amadoras. Ele destaca a emoção que sentiu ao conquistar sua primeira vitória em uma competição profissional e afirma que está determinado a se preparar para o Mr. Olympia 2024.

Everson Costta, atleta da Competição Nacional de Fisiculturismo. Foto: Reprodução/Internet

“Ser campeão do Mr. Olympia Brasil significa muito para mim. Sou o segundo acreano a realizar esse feito, o primeiro foi o Ramon, que é o segundo colocado na categoria (mundial), e estaremos juntos competindo no ano que vem. Isso é muito gratificante e a realização de um sonho em representar o Acre e o Brasil” – destaca.

Não é de hoje que o Acre tem conquistado um reconhecimento no fisiculturismo. A cena dos atletas têm sido bastante comentada mundo afora e vem crescendo não só na capital, mas em todo o estado.

Nos últimos cinco anos muitos destaques acreanos avançaram e se profissionalizaram, ganhando concursos, patrocínios e eventos importantes. Os Acreanos que representam este grupo de competidores profissionais no Acre, além de Everson Costta são, Ramon Dino, Andréa Gadelha e Herlayne Braga.

Andreia Gadelha é natural de Epitaciolândia, cidade do interior do Estado. Foto: Reprodução/Internet

Ramon Dino tem 29 anos, nasceu em Rio Branco e começou a musculação através da  calistenia na adolescência e logo se destacou por seu desenvolvimento muscular. Competiu pela primeira vez em 2017 aos 22 anos e já participou de três Mr. Olympia. Na sua estreia em 2021 ficou em quinto lugar, e no seguinte alcançou o segundo lugar.

Em outubro de 2021, Ramon venceu e conquistou o Overall (disputa entre os campeões de todas as divisões da categoria) da Classic Physique, colocando seu nome oficialmente no circuito profissional do fisiculturismo brasileiro.

Conhecido apenas como “Dino”, Ramon atualmente detém o título de vice-campeão do Mr. Olympia e campeão do Arnold Sports na categoria Classic Physique. 

Ramon Dino venceu e conquistou o Overall em outubro de 2021. Foto: Reprodução/Internet

Continue lendo

Mais Lidas